14ª Avaliação do “Novo Normal”: Guarabira segue em bandeira amarela

A 14ª avaliação do Plano “Novo Normal”, realizado pela Secretaria de Estado da Saúde, para monitorar e servir de base para os programas de enfretamento ao contágio causado pela pandemia de COVID-19, foi apresentado pelo Secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros.

Na nova avaliação, a cidade de Guarabira permanece na bandeira amarela, onde é permitido a mobilidade reduzida das atividades econômicas-sociais, observando os protocolos de segurança da SES. Ainda na nova avaliação, é possível destacar o retorno de muitos municípios para a bandeira vermelha, o que não acontecia desde a 3ª avaliação, ocorrida em julho. A bandeira é a mais restritiva do programa. Segundo a secretaria, este indicador é o resultado da elevação da transmissibilidade do vírus em todo Estado. As novas definições de bandeiras têm início nesta segunda-feira (14).

De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), 95% dos municípios se concentram nas bandeiras laranja e amarela, 5% na vermelha e apenas 3% na verde, cenário similar ao da primeira avaliação divulgada no dia 15 em junho.

O secretário executivo de Saúde da Paraíba, Daniel Beltrammi, ressalta que as transições para bandeiras laranja e vermelha significam piora da classificação. Ou seja, houve expressiva deterioração dos níveis de risco para disseminação da Covid-19, de forma geral, em toda Paraíba, com destaque para a 1ª e 3ª macrorregiões de saúde. Fazendo uma análise agregada das últimas três quinzenas, ele aponta que houve redução expressiva da participação da bandeira amarela, de 80% para 55% dos municípios paraibanos, e crescimento exuberante da bandeira laranja, de 6% para 37%, com proporcional redução dos municípios em bandeira verde, de 14% para 3%; além do crescimento de 11% da participação dos municípios em bandeiras vermelha, amarela e laranja, de 86% para 97%.

“A literatura científica internacional aponta que os reflexos da adoção de comportamentos de alto risco, como o abandono do uso de máscaras e a ocorrência de atividades com grandes aglomerações, majoritariamente entre a população das faixas etárias de 19 a 59 anos, afetam os indicadores utilizados pelo Plano Novo Normal no prazo de uma semana. Isso permite correlacionar a piora do comportamento social, quanto à adoção de medidas protetivas, com a deterioração do contexto epidemiológico e das capacidades do sistema de saúde, na forma de maiores ocupações dos leitos hospitalares para os cuidados à Covid-19 na Paraíba”, pontua.

Quanto às ocupações hospitalares dos leitos de UTI adulto na Paraíba, os dados apontam crescimento de 7,86% na 1ª Macrorregião de Saúde, 12,72% na 2ª e um expressivo crescimento de 24,71% na 3ª Macro. O secretário executivo reforça que, embora atualmente a Paraíba tenha mais leitos de UTI, 15 novos abertos recentemente, e saiba manejar melhor o paciente, a população está colaborando cada vez menos.

“É importante lembrar que essa é uma doença evitável. Pode-se ampliar leitos todos os dias, mas esse recurso é finito e todas as pessoas, quando se cuidam, usam máscara, evitam festas e aglomeração, se protegem e protegem outras pessoas. Apelamos para a colaboração de toda a população, especialmente nas festividades de fim de ano”, reforça.

Fonte: SES-Governo do Estado